Blog

“Digo a todas que sonham em poder ser mãe, não deixem que os obstáculos da vida te impeçam de realizar este sonho”

art-medicina-blog-historia-na-art-franciele
por artmedicina em Sua história na Art
Nenhum Comentário

Segue abaixo meu relato sobre o processo de FIV e a maternidade.

Bom, como a maioria das mulheres eu sempre sonhei em casar, construir uma família, ter meu filhos e por ai vai, uma vida normal para a maioria das pessoas. Casei em 2009 e após um ano de casada eu e meu marido decidimos que queríamos ter filhos em breve, daí então começamos a tentar, e tentar e tentar. Passaram se 4 anos de tentativas e nada, foi quando cada um de nós procuramos nossos médicos, eu e meu marido fizemos muitos exames, eu como mulher fiz muito mais exames do que ele, e com os meus exames graças a Deus não constaram nenhum problema, porém quando meu marido voltou ao médico para ver o resultado do exame, ali estava a causa da infertilidade.

Meu marido tinha pouca quantidade de esperma, apenas 10 milhões, e destes 10 milhões 90% pode se dizer, não tinha mobilidade. Ele ficou chateado é claro, mas o médico foi bem franco conosco e disse “a única forma de vocês terem um filho é fazem uma fertilização In Vitro” ou “adotando”. Confesso que adotar nunca esteve nos meus planos, e deixo claro que admiro imensamente que tem está atitude de adoção, então partimos em busca do nosso sonho.

Porém por se tratar de um tratamento muito complexo e caro, fomos á vários profissionais e clinicas, e o lugar que melhor nos atendeu em todos os sentidos foi a Clínica Art Medicina. Nossa, não canso de agradecer e elogiar o trabalho de vocês, indico para tanta gente, tenho amigos que neste momento estão tratando com vocês.

Mas voltando, conheci a Art Medicina através da minha médica, todo o meu tratamento de FIV foi feito na Art Medicina, desde os exames até a implantação dos embriões. Durante o tratamento de estimulo com medicamentos, eu tive um hiper estimulo, o que ocasionou na produção de 25 óvulos, porém, nem todos estavam com boa qualidade justamente devido a quantidade, dos 25 óvulos produzidos 11 fecundaram. Porém devido ao hiper estimulo, não pude fazer a transferência no mesmo mês, pois poderia aumentar o acumulo de liquido na barriga ou nos meus pulmões, então por precaução tive que congelar por um mês os embriões e aguardar até a data da próxima menstruação para poder implantar meus embriões.

E assim foi feito, no dia 06 de Fevereiro de 2015 implantamos 2 embriões e no dia 15 de fevereiro a boa notícia “Grávidos” , havia dado tudo certo. Dias depois fizemos a ultrassom para saber quantos estavam lá, e apenas 1 embrião havia fecundado, graças a Deus por isso. Com 1 mês de gestação, comecei a ter sangramentos, mesmo tomando os remédios Ultrogestan e outros para segurar o bebê, o sangramento continuava, o medo obvio veio com tudo, fui no hospital algumas vezes para fazer ultrassom e ver como estava, se eu estava perdendo ou não, e como Deus é perfeito tudo certinho com meu bebê, ou melhor minha bebê.

Sim, descobri através de um exame sexagem fetal, que eu estava gravida de uma menina, o nome eu e meu marido já tínhamos escolhido a anos, se fosse menino seria o João Vitor, se fosse meninas seria Vitória e assim foi. Meses se passaram e com 36,6 semas minha princesinha decidiu que era hora de vir, então no dia 02/10/2015 ás 08:00 da manhã minha bolsa estourou. Nossa que sensação maravilhosa e assustadora ao mesmo tempo, liguei para minha médica para avisar e fui para o Hospital Santa Joana e ás 13:00 horas com 3,270Kg e 51 centímetros parto cesária minha princesa veio ao mundo, cheia de saúde e trazendo muita felicidade a todos da minha família.

Foi no momento do parto que eu entendi o que as mulheres diziam sobre “amor incondicional, amor que não cabe no peito”, foi naquele exato momento quando eu vi o rosto da minha filha que eu senti uma espécie de explosão dentro do meu peito, um amor fora do normal. Posso dizer que com toda essa experiência, cada segundo valeu a pena, cada lagrima que derramei, todas as dificuldades que tive para conseguir fazer o tratamento, os enjoos da gravides, azias, noites sem dormir, tudo absolutamente tudo, valeu apena.

Porque ser mãe, é aprender algo novo a cada dia, é errar tentando acertar, sorrir quando se quer chorar, é chorar quando está sorrindo, é não ter hora para mais nada, pois aquele serumaninho é quem define o seu tempo. Nossa é muito trabalho, mas é muito prazeroso, hoje minha filha tem 1 ano e 6 meses, e só posso agradecer a Deus por tudo o que passei para ter ela comigo, a Vitória é meu maior e melhor presente de Deus.

Digo a todas que sonham em poder ser mãe, não deixem que os obstáculos da vida te impeçam de realizar este sonho, não deixem que pessoas frustrem os teus sonhos, porque sonhos são dados por Deus e se ele te fez sonhar ele te fará realizar.

Essa foi minha experiência espero ter podido ajudar um pouco.

Franciele Pereira.

Grata pela oportunidade.

art-medicina-blog-historia-na-art-franciele (3)

art-medicina-blog-historia-na-art-franciele (5)

art-medicina-blog-historia-na-art-franciele (4)

art-medicina-blog-historia-na-art-franciele (2)

História da Franciele Pereira, mãe da Vitória.

 

Histórias de superação:

“Sei que, com a chegada do Nicolas, me tornei uma pessoa melhor”

História de superação! Conheça Suzana, mãe do Miguel

“Digo a todas que sonham em poder ser mãe, não deixem que os obstáculos da vida te impeçam de realizar este sonho”

“Só sei que estou sentindo um amor imensurável, que está fazendo a minha vida ser muito melhor”